Voltar Componentes do Sistema de Esgoto

Palavras-chave:

02/11/2010 11:01



Aparelhos sanitários: são ligados à instalação predial, permitindo o uso da água para higiene.

Desconectores ou sifões: peças que contêm uma camada líquida chamada de “fecho hídrico”, fundamentais para impedir a passagem dos gases contidos nos esgotos. A norma brasileira NBR 8160 recomenda um mínimo de 5 cm para altura dos fechos hídricos dos desconectores.

 



Ralos: são caixas que possuem grelha na parte superior, que recebem as águas de chuveiros ou de lavagem de pisos. Quando contém sifão, chamamos de ralos sifonados.

Caixas sifonadas: peças que recebem as águas servidas de lavatórios, banheiras, box, tanques e pias, ao mesmo tempo em que impedem o retorno dos gases contidos nos esgotos para os ambientes internos. Também podem recolher as águas de lavagem de piso, através da grelha superior, e protegem a instalação contra a entrada de insetos, graças ao fecho hídrico.

Ramal de descarga: tubulação que recebe diretamente os efluentes dos aparelhos sanitários.

Ramal de esgoto: recebe os efluentes dos ramais de descarga, diretamente ou a partir de um desconector (caixa sifonada).

Tubo de queda: tubulação vertical existente nos prédios de dois ou mais andares que recebe os efluentes dos ramais de esgoto e dos ramais de descarga.

Instalação primária de esgoto: conjunto de tubulações que contêm os gases provenientes do coletor público ou da fossa séptica.

Instalação secundária de esgoto: é o conjunto de tubulações e dispositivos onde os gases do esgoto não têm acesso. Neste caso a passagem dos gases é impedida pelos fechos hídricos dos sifões ou desconectores.


Sub-coletor: É a tubulação horizontal responsável que recebe os efluentes de um ou mais tubos de queda (no caso de prédios)  ou de ramais de esgoto.

Dispositivos de inspeção:

a) Caixa de gordura: caixa que recebe o esgoto vindo diretamente do ramal da cozinha. Possui um sifão que retém a gordura dentro da caixa, impedindo que esta seja conduzida pela tubulação. Desta forma, pode-se efetuar limpeza periódica para eliminar a gordura e demais materiais que ficam ali retidos.

b) Caixa de inspeção: são destinadas a permitir a inspeção, limpeza, desobstrução, junção, mudanças de declividade e mudanças de direção das tubulações. Devem ser  instaladas, no máximo, a cada 25 metros, para facilitar o manuseio dos equipamentos utilizados para limpeza. As caixas de inspeção recebem o esgoto primário e por esse motivo devem ter tampas herméticas (que não deixam escapar mau cheiro para o ambiente).

A TIGRE possui a solução ideal para inspeção de redes de esgoto,  que falaremos mais adiante.

Coletor predial: trecho final da tubulação que conduz o esgoto até a rede pública de coleta, ou ao sistema de esgoto individual.

Válvula de retenção: conexão instalada nos ramais prediais, após as caixas de inspeção, que impede o retorno de esgoto em situações como: inundações, enchentes, refluxo de marés, entupimentos, vazões elevadas em períodos de chuva. Pode também ser utilizada em ramais prediais de águas pluviais.

Compartilhe este artigo: Twitter Orkut Facebook Email



Cadastre-se

Cadastre-se no Mundo Tigre e tenha acesso a recursos adicionais.

Já tenho um cadastro Ainda não tenho um cadastro

O conteúdo deste site está disponível para todos os usuários, cadastrados ou não.

Dica do Hufen

Dimensionamento das instalações de esgoto

O sistema predial de esgoto sanitário deve ser separado do sistema predial de águas pluviais, ou seja, não deve existir nenhuma ligação entre os dois sistemas....

Continue lendo
Colabora com a Enciclopédia